Arraste o sofá: Fi Bueno e convidados tocam forró no Canto da Ema

Live em lendária casa de forró da Brigadeiro Faria Lima, em São Paulo, promete matar a saudade do rala-bucho pré-pandêmico. É em instantes! Fi Bueno apresenta hoje, às 21h, a versão live de seu projeto “Quintal do Fi”, do palco do Canto da Ema. Aliás, por causa da pandemia, o espaço pode fechar e, portanto, há uma ação aberta no Abacashi para evitar que mais … Continuar lendo Arraste o sofá: Fi Bueno e convidados tocam forró no Canto da Ema

Cinemateca Brasileira pega fogo: avisa que tinha 4 Borbas Gatos lá dentro!

“Já está feito, já pegou fogo, quer que faça o quê?” foi a resposta de Jair quando o Museu Nacional foi incendiado. E lá se vai mais um pedação da nossa História, no momento em que país segue sob comando de quem odeia História… Para compreender o que é que está em jogo com a queima do imenso galpão da Cinemateca, é preciso conhecer um … Continuar lendo Cinemateca Brasileira pega fogo: avisa que tinha 4 Borbas Gatos lá dentro!

Frio no Brasil? Ouça “Neve”, de Felipe Parra

Paulistano da zona leste faz canção de indie pop que não poderia ter chegado em hora mais apropriada do que nessa friaca que se instalou no país É música pop. Portanto, meio melosinha, daquelas gostosas pra fazer um afaguinho na alma ou pra trilhar um momento bonitinho a dois. E é cheia de significados do introspecto: Era Roberto Carlos no rádio da cozinha, Só Pra … Continuar lendo Frio no Brasil? Ouça “Neve”, de Felipe Parra

Usina Luis Maluf é novo espaço de artes visuais em São Paulo

Espaço leva nome de jovem galerista que já tem pelo menos dois empreendimentos artísticos em São Paulo “Luis Maluf é filho de quem”, “Luis Maluf biografia”, “Luis Maluf é filho de Paulo Maluf” são algumas das pesquisas relacionadas que o Google mostra quando pesquisa-se “quem é Luis Maluf”. Os resultados são inconclusos. É óbvio que a curiosidade surge quando lemos este sobrenome. Mas, bom, filho … Continuar lendo Usina Luis Maluf é novo espaço de artes visuais em São Paulo

Os detalhes do Rei

foto: divulgação

Michel Medeiros 

Interatividade. Este é o forte da exposição “Roberto Carlos – 50 anos de música”. Aberta desde 6 de março na Oca do Parque Ibirapuera em São Paulo, além de retratar detalhes da vida do cantor mais popular da música brasileira, a mostra esbanja tecnologia. O programa é uma boa opção para quem passar pela capital paulista até 09 de maio.

Para os fãs do “Rei”, a exposição é uma oportunidade de estar mais próximo do ídolo. São centenas de objetos como roupas, troféus, presentes e carros usados por Roberto Carlos. Em nove telas de computador, é possível ouvir músicas de 90 discos, num total de 984 canções. Logo na entrada do prédio, o tão desejado Calhambeque azul – o original. Em um dos salões, uma das réplicas do automóvel está à disposição dos visitantes para fotos.

Porém, mais que observar, que tal fazer parte das comemorações deste cinquentenário? Esta é uma das propostas da curadoria. Além de conhecer um pouco mais da trajetória de Roberto, é possível registrar a admiração pelo artista ou, simplesmente, brincar de ser cantor. Entre as possibilidades, gravar um trecho da canção “Eu quero apenas” – aquela da frase, “eu quero ter um milhão de amigos…”. -E nós “queremos apenas” que você continue lendo…->

Dia de rabiscar!

foto: otherthings, no Fickr

Morillo Carvalho

Além dos 50 anos de nascimento de Renato Russo (no post anterior busquei homenageá-lo e destilar minha indignação pela falta de homenagens pela cidade), ontem também foi o dia mundial do teatro e nacional do circo, e ainda, o aniversário de 23 anos da morte de Alex Vallauri, pioneiro do grafite brasileiro. Em 2004, a cidade de São Paulo, que é referência no grafite mundial (salvo engano, perde apenas para Nova Iorque, nos EUA), instituiu a data como o dia Municipal do Grafite. Só que veio o Gilberto Kassab com sua mania obsessiva compulsiva de limpeza com a lei Cidade Limpa e derrubou a lei.

Polêmica vai, polêmica vem, o dia (agora) não oficial do grafite em São Paulo foi comemorado por grafiteiros em toda a cidade. Aqui em Brasília? Bom, aqui em Brasília há alguns locais grafitados. Os que mais me lembro agora são o Espaço Cultural da 508 Sul, na W3, e o subsolo do Conic – que, por ser subsolo e ser no Conic, muita gente não conhece, mas são dezenas de galerias escuras 100% grafitadas.

Mas não vou recomendar que saia da sua casa para ver a fachada do espaço, Vou, sim, recomendar que vá dar uma olhadinha na exposição d’Osgêmeos, que está no CCBB até 16 de maio. Os grafiteiros mais comentados dos últimos tempos (os brasileiros Otávio e Gustavo Pandolfo) criam ambientes lúdicos e propõem mexer com todos os sentidos em “Vertigem”. É no pavilhão de vidro, a um custo módico de apenas 0800. Na sequência, preparamos uma galeria de imagens de locais que já receberam a arte dos dois. -Por isso, continue lendo…