Coroa fogosa, enxuta e contemporânea

Impossível não se apaixonar por Ana, por vezes Diana, como foi batizada. Legítima representante de uma geração de jovens idealistas que chegaram a Brasília em plena ditadura militar para estudar na UnB de tudo que é canto do país, revolucionando hábitos e costumes de uma capital que se propunha a ter hábitos cafonas-ignorantes, repetindo osContinuar lendo “Coroa fogosa, enxuta e contemporânea”