Ensaio Clínico: Tulipa Ruiz

troféu de melhor cantora. imagem: blog da Tulipa

troféu de melhor cantora. imagem: blog da Tulipa

“Ensaio clínico” é o nome da nova coluna do Drops, e está aqui toda terça, desde a que passou. O ensaio clínico é a fase em que os medicamentos estão sendo testados para, só após, serem produzidos em escala industrial e passarem a ser alternativas terapêuticas. O objetivo desta coluna é apresentar os artistas que estão nesta fase.

A de hoje, porém, já não está mais na fase do “ensaio clínico”. Porém, está aqui porque é uma das promessas de 2012. Tulipa encerrou o ano recém-terminado com uma turnê pela Europa, passando por Paris, Copenhague, Lisboa, Bruxelas e Londres, e outras cidades menores. Só em Brasília, esteve (que eu me lembre) por três vezes, e em todas, para mais de uma apresentação.

“O sol ensolarará a estrada dela”, ao que tudo indica. E se o sol não ensolarar, o caminho estará reluzente de Brocal Dourado, como diz uma de suas canções. Recentemente, a assisti participar do programa do China na MTV, e ela considera essa música, a mais pesada do CD “Efêmera”, o bem sucedido disco de estréia.

Tulipa fechou 2011 também com o prêmio Multishow de Melhor Cantora. E, se permanecer crescente sua trajetória em 2012, desconfio que a recém-adquirida projeção internacional deva render frutos maiores e melhores neste ano.

FICHA TÉCNICA

– Nome: Tulipa Ruiz
– Procedência: Santos (SP), minha conterrânea (cabe registrar, rs).
– Matéria prima: filha de Luiz Chagas, jornalista e músico do Isca de Polícia, banda que acompanhava Itamar Assumpção. Ela não é filha da Alice Ruiz, como imaginam!
– Componentes: um mix de rock com eletrônico em altas dosagens de MPB. Melodia pura.
– Resultados já comprovados: eficiência e eficácia plena no tratamento de borocoxozice, tédio agudo e melancolia crônica.

Curte:

Ensaio Clínico: Naiara Morena

Naiara Morena. foto: Gabriel Leite

Naiara Morena. foto: Gabriel Leite

“Ensaio clínico” é o nome da nova coluna do Drops, e estará aqui toda terça. O ensaio clínico é a fase em que os medicamentos estão sendo testados para serem produzidos em escala industrial. O objetivo desta coluna é apresentar trabalhos em ascenção, rumo à uma carreira internacional ou fora da região em que estão inseridos.

Hoje, quem está por aqui é Naiara Morena. Ninguém melhor para estrear esta coluna, já que a cantora está de malas prontas para a ponte aérea Brasília – Zoropa, que deve rolar dentro de breve, muito breve…

Europa pra começar bem 2012. O que deve rolar por lá?

Recebemos um convite para fazer alguns shows em Rotterdam, pra mostrar um pouco da música brasileira, então a gente resolveu fazer um “mexido” sabe? Quando vc pega de tudo e joga na panela? Rsss Então vai rolar Milton Nascimento, samba, xote, baião, choro, sertanejo de raiz, autorais, bossa nova… a mala tá cheia de coisa boa! [=)]

Aliás, 2012, dizem, é o fim do mundo. O que o ano novo representa pra você?
Mais um ano de muito trabalho! [=)] E, se tiver que acabar, pelo menos acaba comigo fazendo o que eu gosto ne? Só alegria!!!

Li uma frase sua uma vez: “o brasiliense parece que nasce com 90 anos”, sobre a proibição de música ao vivo nas casas noturnas da cidade. Ainda assim, vale a pena investir numa carreira por aqui?
É difícil viu? Mas a ideia de “nascer com 90 anos” na verdade não tem nada a ver com tantos velhinhos gente boa que sabem ouvir e apreciar a boa música. Trata-se de ter a mente velha. O Brasil inteiro funciona com música ao vivo madrugada adentro mas aqui é o único lugar no país todo que tem a tal da lei do silêncio às 22h e AINDA sim o pessoal reclama do “barulho”, daí o nome do movimento “música não é barulho”. Mesmo assim ainda tem muita gente muito boa em Brasília e é triste essa nossa situação de “sem teto” quando se trata de locais para a cultura. Às vezes dá vontade de ir embora pro Rio, pra Bahia, enfim! O problema é que não dá pra simplesmente abandonar né? Eu nasci em Brasília! Me sinto até na obrigação de brigar por essa cultura que está escondida por aí…

Já vi você fazer muita coisa legal, como o festival no Conic. Nesse sentido, quais são os planos pra 2012?
O evento no Conic foi a “Parada Cultural”. Esses dias vi uma imagem em que um político estava na ponta de uma prancha estendida acima do abismo. Na outra ponta as pessoas estavam em cima dessa prancha. Acho q a ideia é essa mesmo… nós estamos no controle! Só que as pessoas não entendem isso! A Parada Cultural é uma ideia de colocar os artistas na rua mostrando que nós estamos aqui! A arte e a cultura de Brasília é forte! Mas, de novo: somos os sem teto da vez. Alguns problemas impediram que a I Parada Cultural tivesse maior repercussão, mas eu e a Luciana Pacheco (produtora cultural também responsável pela execução do evento) aprendemos bastante e estamos com vários planos para a II e talvez a III também, antes do fim de 2012.