Ouvir estrelas

foto: Flavia Sereia, no Flickr

foto: Flavia Sereia, no Flickr

“Ora (direis) ouvir estrelas! Certo
Perdeste o senso!” E eu vos direi, no entanto,
Que, para ouvi-las muita vez desperto
E abro as janelas, pálido de espanto…

E conversamos toda noite, enquanto
A Via Láctea, como um pálio aberto,
Cintila. E, ao vir o sol, saudoso e em pranto,
Inda as procuro pelo céu deserto.

Direis agora: “Tresloucado amigo!
Que conversas com elas? Que sentido
Tem o que dizes, quando não estão contigo?”

E eu vos direi: “Amai para entendê-las!
Pois só quem ama pode ter ouvido
Capaz de ouvir e de entender estrelas”.

Olavo Bilac, pra que hoje, dia da poesia, esse blog seja mais poético…

Anúncios

Só faltava ser em Brasília

O Paulo Mesquita, colaborador deste blog, autor deste outro e deste, e que divide comigo este último, tem toda razão: só faltou ser em Brasília. Me refiro ao vídeo promocional da Vivo, de Eduardo e Mônica. O vídeo é simplesmente incrível e eu achei sensacional, não fosse a história se passar em São Paulo e não na nossa Brasólia.

Quando Renato Russo cantava “se encontraram então no Parque da Cidade”, era “no” e não “num” – ou seja, era “no” (nosso) “Parque da Cidade”. Ou seja, não pode ser no Trianon…

E quando ele dizia que a Mônica foi de moto e o Eduardo, de camelo, eu, como paulista que conheceu Legião Urbana em Minas, jamais imaginei que “camelo” fosse bicicleta. Isso, sorry, é gíria daqui.

Outra referência que poderia ter sido explorada por nossa paisagem deslumbrante é na passagem “ela falava coisas sobre o Planalto Central”, que não aparece. AINDA ASSIM, o vídeo é bacanudo e é a minha dica pra se emocionar ao som da Legião nesta quinta calorenta em Brasília.

Num post de 2008 deste blog, eu revelo mais algumas coisas que referendam que o vídeo deveria ter sido gravado em Brasília. Leia aqui.

——————————————————————————————–

Caros dropeiros, este blog esteve inativo nos últimos dias por razões médicas. Agora, que estou devidamente drogado com anti-inflamatórios e antialérgicos, estou de volta. Fiquei devendo o receituário da semana e uma boa cobertura dos cinco shows em que estive no último fim de semana, mas me aguardem!

Tchau, Embracine!

Cartaz do CasaPark sobre fechamento. No Facebook, eles dizem que a parceria foi encerrada para melhor atender aos clientes.

É, minha gente. No CasaPark, havia a operadora de cinemas mais legal da cidade, pois atuava como substituta do Cine Academia com a exibição de filmes do circuitão comercial e de produções mais cult.

Havia, isso mesmo.

Uma briga judicial entre o shopping e a operadora de cinema fechou as portas das salas hoje. A decisão, favorável ao CasaPark, determinou o fechamento do Embracine por lá, por tempo indeterminado.

As confortáveis salas que tinham alto padrão técnico e capacidade de comportar 1,5 mil pessoas – além de serem bem confortáveis – devem ganhar, em breve, um novo operador – prometeu o shopping, em comunicado à imprensa.

O impasse entre CasaPark e Embracine vem desde 2009, quando o shopping entrou com ação na Justiça por falta de pagamento, por parte da operadora. A ordem de despejo saiu ontem, e o CasaPark já vinha negociando a entrada de outra operadora – que, acabo de apurar, deve seguir o mesmo padrão do Embracine: circuitão + filmes não-comerciais.

Eu? Bom, eu lamento o fechamento, esperando que uma nova operadora entre logo pra que o cinema volte a fazer parte do cotidiano de um shopping que abriga a Livraria Cultura e tantas coisas legais.

Tentei contato com a assessoria de imprensa do Embracine, sem sucesso. Até agora, não há nenhuma nota oficial, e a última notícia que se tem da operadora é de 15 de abril, no Twitter: “Em breve, no Embracine CasaPark, Mostra Retrospectiva Eric Rohmer. Aguardem!!”. As oito salas exibiam, neste momento, oito produções – entre elas, a peruana Contracorrente – e três estreias.

Em tempo…

Hoje, na Câmara dos Deputados, tem o lançamento da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Cultura. O grupo reúne 250 parlamentares, tem representantes estaduais e deve defender a aprovação da PEC 150. A proposta determina a destinação de 1% do orçamento brasileiro, 1,5% do dos estados e 2% do dos municípios para a cultura, sem possibilidade de contingenciamento para outras áreas.

E, como o assunto do último texto foi a Lei de Direitos Autorais, hoje a reforma da lei é assunto em debate na reunião da Comissão de Educação e Cultura. Os deputados Alessandro Molon e Jandira Feghali requereram informações sobre o assunto. Deve ser ouvida a diretora de Direitos Intelectuais do MinC, Márcia Barbosa.

O tempo não para

foto: internet

Hoje, Cazuza faria 53 anos. Em 07 de julho, serão 21 anos sem ele.

No último dia 27, Russo faria 51 anos. Em outubro, serão 16 anos sem ele.

“Eu não tenho data pra comemorar. Às vezes os meus dias são de par em par, procurando uma agulha num palheiro”… O tempo não para. “Quero que saibas que me lembro, queria até que pudesses me ver”. Sábios.

Esclarecimento

Quando retomei a posse dessa Farmácia, que estava quase perdendo por usucapião, prometi não ficar mais dias e dias tão longe. Afinal, cultura tem muito mais hard-news do que eu imaginava, quando este era só um blog de divagações e não de notícias. O fato é que, como anunciei aqui, em maio do ano passado, esse blog vai crescer e mudar de nome. E o projeto consome um tempo do cão, além de outro projeto para web que tb me envolvi. Não se preocupe, seu(ua) drogado(a): tô voltando forte hoje. Os amigos que escrevem para o blog também andaram ocupadaços – cobertura de 50 anos de Brasília e blablablá. Ok? Voltando em 3… 2… 1…

Mudanças em breve…

Mês de outubro é mês de mudança pra mim, já que é o mês do meu aniversário e de meio Brasil que apronta no carnaval (já percebeu?). E como, este ano, também é outubro o mês das primeiras férias da minha vida (5 anos de trampo sem parar, já pensou?), vou aproveitar esse tempo de ócio para reestruturar essa farmácia.

Eu e Fernando Hubner, competente programador, designer nas horas vagas, amigo e cunhado de vez em quando vamos gastar algumas horas refazendo isso aqui tudo. É provável que mudemos de endereço, mais uma vez… A intenção, por hora, é um portalzinho de cultura. Mas não vou ficar punhetando o cérebro do leitor. Não estou disposto a faze-lo gozar. rs

Em breve.