Foo Fighters viram Dee Gees: novo disco tem covers dos grandes caras da Disco Music

Dave Ghrol e banda mostram que não são apenas grandes rock stars: são grandes músicos, capazes de transitar com maestria por sons tão diferentes quanto o dos Bee Gees

Qualquer coisa que eu escreva sobre o Foo Fighters será de uma pagação de pau imensa, afinal é a minha banda favorita desde o ano 2000 – quando eles estouraram com o disco There is Nothing Left to Loose e seus clássicos Learn To Fly, Breakout, Generator, Aurora e afins. Desde então, minha grande obsessão era ir a um show deles e realizei com maestria em 2012, daí em 2015 eu e Ana Elisa Santana fomos em shows deles em São Paulo e no Rio de Janeiro, depois em 2018 fomos no Maracanã de novo e, em 2019, no Rock in Rio. E assim será a cada vez em que eles pisarem em solo brasileiro ou em que eu estiver em solo estrangeiro e eles também. Mas sim, contexto dado, vamos ao que interessa…

Foo Fighters canta Bee Gees

O Bee Gees é outra banda que eu adoro. Eu amo a capacidade de falsetear que o vocalista tem em Tragedy e amo a calma e conforto que How Deep Is Your Love é capaz de provocar. Daí Dave Ghrol e banda resolvem gravar um disco com o nome de Dee Gees – reparou nas iniciais negritadas, né? – e lançaram, neste sábado (17), o disco Hail Satin. Nele há “You Should Be Dancing”, “Night Fever”, “Tragedy” e “More Than a Woman”, além de” Shadow Dancing”, de Andy Gibb – o irmão mais novo de Barry, Robin e Maurice, o trio que compunha os Bee Gees, que morreu aos 30 anos em 1988 no auge de uma carreira solo bem sucedida. Hoje, apenas Maurice está vivo, tendo Barry morrido em 2003 e Robin em 2012.

:: Leia mais: Foo Fighters reabrem shows em Nova York ::

:: Leia mais: fãs babacas dos FF ameaçaram boicotar show pq havia exigência de vacina pra entrar ::

O disco dos Dee é de vinil em edição limitadíssima e tem, no lado B, cinco canções do Foo Fighters, de sua gravação ao vivo do último disco, “Medicine at Midnight”, em seu estúdio 606. E Dave manda um vocal tão perfeitamente afinadinho nos agudos e falsetes que credo, que delícia.

Ah, a capa do disco, que tá no topo deste texto, é um tributo a uma de um greatest hits dos Bee Gees. Essa tipologia, eles já vinham usando há alguns discos quando saiu essa coletânea. Ó que legal:

imagem: Divulgação


Me siga nas redes sociais!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s