Brasiliense cria curta de animação com técnica primária

Raquel Piantino está em fase de finalização do curta “Cláudia e o Crocodilo”, um conto fantástico sobre a relação entre uma mulher e um animal selvagem.

O que é ser civilizado? O que é ser selvagem? Foi partindo dessas perguntas que a desenhista, cineasta e animadora brasiliense Raquel Piantino criou “Cláudia e o Crocodilo”. Um curta-metragem com estreia prevista para este ano que apresenta a improvável relação entre uma mulher adulta, de 35 anos, e o animal silvestre.

“O curta metragem foi feito a partir das técnicas primordiais do desenho. Optei pela técnica de animação tradicional 2D, quadro a quadro, com animações adicionais em stop motion e animação digital”, conta Raquel. Este era um dos seus sonhos, e ao ver os primeiros resultados, concluiu: “o resultado foi inusitado, com personagens que tem um movimento próprio e diferenciado”. 

O roteiro foi realizado em parceria com Maurício Chades eembalado pela trilha sonora de Claudio Vinicius Fialho. A produção é inclusiva e conta com menu com opções de legenda para surdos e audiodescrição para cegos.

A brasiliense gosta tanto de técnicas primárias de animação que ministra uma oficina para crianças criarem flipbooks – aqueles livrinhos que, folheados rapidamente, transmitem uma animação. É também com um flipbook que o filme será divulgado.

Quer um spoilerzinho? Cláudia é uma mulher comum que vive na cidade, rodeada por vizinhos, mas seu relacionamento diário é com o crocodilo. “Assim, com a convivência, cada um recebe a influência do outro. Claudia vai ficando um tanto selvagem e o crocodilo um pouquinho doméstico,” detalha Raquel. E complementa: “um gato também é importante para a história”.

Nem foi spoiler, né? O curta será lançado ainda em 2019 nas telonas, mas o DVD já está em fase de finalização.

Anúncios