Ícone do site Drops Culturais

Viagem psicodélica

Ela apareceu no início da Asa Norte... (foto minha)

Num determinado momento da história, uma grande quantidade de jovens quis se libertar de tudo o que já estava pré-estabelecido – o sistema – e salvar o mundo. Hunter S. Thompson, jornalista norte-americano, foi um deles.

Contratado pela Rolling Stone (revista porta-voz da contracultura nos EUA) nos anos 60 e 70, ele narrava essas viagens, em seu jornalismo gonzo (em que não há barreira entre narrador e personagens). Posteriormente, seus textos mostrariam as consequências devastadoras sobre a juventude de São Francisco – local que ficou popular pelo consumo insano e frenético da droga.

O que restou dessa época? Um imenso legado no que diz respeito à cultura. Literatura e música, em especial. E obras de arte, como essa kombi.

Como numa viagem a 1969 – ou ao desenho do Scooby Doo -, essa kombi parou em frente ao meu trabalho, ontem à tarde, e eu fui lá fotografar.” />

As kombis e vans psicodélicas eram usadas pelos líderes hippies para conectar quem estava a fim de viajar ao lado de lá. Eram equipadas com aparelhos de som, tocando Jefferson Airplane e cia.

Essa aqui, não. É uma kombi roots do Cerrado. Essa aqui serve de ponto de cultura ambulante, na cidade. Perambula, conduzida pela agente cultural Elisa Rachaus, para colocar em contato bandas e produtores. É aí dentro que eles acertam como, quando, onde vão tocar. Na madrugada dessa era de aquário.

Pintada à guache, a kombi psicodélico-candanga tem vários detalhes da cidade. Curte uma galeria de imagens sobre ela:

Sair da versão mobile