50 anos é hoje!

imagem: blog tiras

Morillo Carvalho

Ele só tinha 36: que isso sirva de aviso pra vocês. Nos deixou em 11 de outubro de 1996, mas se estivesse vivo, hoje estaria aniversariando seus 50 anos, assim como Brasília, daqui a 25 dias. Pois é. Menos de um mês depois do nascimento de Renato Russo, a cidade que serviu de força-motriz para a sua criação artística era declarada a mais nova capital do Brasil. E se hoje estivesse vivo, do que ele falaria?

Talvez falasse de amor, teria continuado a investigar quem inventou o amor, pedido mais explicações. Talvez continuaria a divagar sobre a violência, que é tão fascinante e as nossas vidas, que são tão normais. Talvez o sexo verbal, que não fazia o seu estilo, teria dado lugar ao sexo virtual – e as palavras, que são erros, estariam ainda mais erradas, desconsertadas pelas abreviaturas cibernéticas da geração Coca-cola que persiste e ainda existe.

Se Renato ainda estivesse vivo, narraria a morte de Maria Cláudia e de João Hélio, como fez com João Alberto, o maioral, o cara legal? Talvez. E talvez também daria sequência e continuaria a divagar sobre que país é esse. Será que se Russo estivesse vivo, aprofundaria a certeza de que há tempos nem os santos têm ao certo a medida da maldade? O que diria o poeta, ao assistir às conseqüências transformadas em invasões daqueles forasteiros que só queriam falar com o presidente pra ajudar toda essa gente que só faz sofrer?

Provavelmente Renato Russo escreveria uma composição sobre o agora homem, antes apenas o filhinho do Eduardo, aquele que impediu a viagem de férias porque ficou de recuperação. Pode ser, também, que ele abandonasse a tônica agressiva quando dizia que iríamos comemorar como idiotas a cada fevereiro e feriado, e resolvesse gravar com Ivete Sangalo, e pulasse num trio. Bom, isso eu acho que não…

Nos 18 anos de atividade como cantor, intérprete, compositor e líder da (talvez) maior banda de rock brasileira que já existiu, a música de Russo passeava pelo que havia de mais introspecto nele próprio, ao mesmo tempo em que revelava as melhores verdades sobre as décadas de 80 e 90, em parte narrando o cotidiano dessa Brasília, separada de seu nascimento por apenas 25 dias.

Mas nada vai conseguir mudar o que ficou. E se ficou como estava – e falo aqui da criação artística de Renato Russo – e ainda consegue despertar amor, saudades, raiva e indignação, é porque o trovador (muitas vezes solitário) foi alçado a gênio. Afinal, gênios da música são aqueles que conseguem ser universais, mesmo falando de coisas locais; são aqueles que conseguem ser atemporais, mesmo que seus temas narrem o cotidiano presente.

Este sábado é de nostalgia nessa sempre ingrata Brasília, Renato. Permanece a mesma ingratidão do seu último show por aqui: bares sem homenagens, nenhum show previsto, e até mesmo a retirada de seu nome do Espaço Cultural da 508 Sul do site da Secretaria de Cultura. Não vou me preocupar, afinal, às vezes o que eu vejo quase ninguém vê. E eu sei que você sabe, quase sem querer, que eu vejo o mesmo que você.

Leia também:

Vai um refri aí? – texto nosso de julho de 2008 sobre o lançamento do CD póstumo “Trovador Solitário”

Velhos chiados românticos e uma saudade – também em julho de 2008, acompanhamos bate-papo com mãe e filho de Renato Russo

Entre amigos – ainda sobre esse bate-papo, também com um pouco sobre o monólogo sobre a vida de Renato.

Droperia Cultural – texto de julho do ano passado, sobre nossa mudança de nome para Droperia (sim isso ainda vai acontecer), e um pouco sobre a biografia do Renato Russo, por Carlos Marcelo.

GRITOS NA MULTIDÃO – texto meu e da Camila, ainda enquanto estudantes, de 06/10/2005 (está em .pdf, desatualizado. e releve erros e obviedades, ok?)

Anúncios

4 Comments

  1. bem, tu sabe que minha opinião sobre ele não é das melhores. mas claro que eu nunca desejei a morte de ninguém. é uma pena ele ter morrido. quem sabe, vivo, conseguiria me fazer gostar dele?
    bela homenagem!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s