Forró politizado?

receitando.com

A-ha, quê isso? Ele está politizado... Foto: receitando.com

Até agora, neste blog, apenas a Ana Luiza se arriscou a falar sobre televisão. Eu, como telespectador convicto (e invicto na minha casa, deixando por vezes minha mulher bem puta), me atrevo a elogiar a MTV. Recebo por sinal aberto, é o canal 32 UHF, e, sob o lema “MTV até a raiz”, vejo boas novidades na programação deste ano. Ao contrário do ano passado, quando a emissora dissipou sua principal característica histórica – a veiculação de videoclipes – para a internet, no Overdrive. Pois é, eles reveram a posição e estão bacanas. Então me deparei com uma entrevista com o Tato, vocalista do Falamansa, e resolvi prestar atenção.

Nunca levei a sério o trabalho dos caras. Falamansa era tipo “Falasério”, na minha cabeça. E é claro que eu jamais comprei um CD deles, porque não gosto e pronto. Mas tão engraçado quanto me deparar vendo uma entrevista sobre o forró do Falamansa, prestar atenção no que o cara tava falando, pensar (e executar depois) num texto para o Drops, é saber que um cara de 30 anos, como o vocalista da banda de forró, descubriu, tempos atrás, um tumor no cérebro.

Ele nem tocou no assunto no bate-papo. Eu descobri depois, lendo o release sobre o 6º CD deles, com o sugestivo nome de “Segue a vida”. Tato já se recuperou da doença e a experiência, claro, foi transformadora. Sei lá se os valores dele mudaram ou qualquer coisa do gênero. Mas que fez com que, musicalmente, eles trouxessem propostas novas, ah, isso fez sim.

Ainda é forró. Mas a mensagem é diferente. Some o “dance o xote da alegria”, entra o “não haveria a guerra se não fosse a ignorância, não haveria acordo se não fosse a paz”. Clipe com cenário distante das palhoças (casas de forró) paraibanas, com pessoas rindo grandão e encoxando-se mutuamente: agora eles se preocupam com o meio ambiente e gravam num barco, em pleno Tietê paulistano – o rio megapoluido e megafedido que corta a maior e mais legal cidade do país.

Também fazem campanha em prol da construção de cisternas no semi-árido nordestino, distribuem sacolinhas em praias para evitar que os restos dos porcalhões venham parar no chão. Imprimem o encarte do CD em papel reciclado. Deixam a grande gravadora em prol da independência – tendência na música brasileira? Enfim, se apropriam de seus instrumentos, tocam o que desejam, mas falam de coisa séria. Evidente que, ainda assim, são elementos insuficientes para transformar-me em ouvinte. Mas não dá para ignorar que poucas são as bandas do mainstream que conseguem amadurecer desta forma.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s