É impossível não associar o Sesi de Taguatinga, em dia de Concurso Regional de Quadrilhas, ao Parque do Povo, em Campina Grande (PB), mês de junho afora. Ainda mais agora que conheço o São João de lá, que é considerado um dos maiores do mundo. O daqui não foi em junho e não aconteceu numa madrugada fria, foi neste fim de semana. É a estrutura grandiosa e a qualidade das quadrilhas estilizadas do quadradinho (ou DF) e região que permitem tal comparação.

O fim de semana que passou, aliás, foi um duelo de gigantes pros que curtem festa junina e uma farmácia cheia para os hipocondríacos viciados em drops como nós.

Duelo de gigantes porque dois eventos de grande porte rolaram nas duas satélites mais importantes do quadradinho: o que comecei a descrever e o “Maior São João do Cerrado”. Enquanto o primeiro se atém à sua significância como rodada de quadrilhas, o segundo, certamente, complementaria o Parque do Povo de Campina Grande, na parte em que ele é mais popular (leia-se entuchado de gente): a área de shows.

Com Elba Ramalho, Dominguinhos, Frank Aguiar e Alceu Valença, o evento vem se firmando como uma das grandes atrações com o tema joanino por estas paragens sem muita tradição popular. Ambientado em Ceilândia, segunda capital de nordestinos do país (a primeira é Sampa), a tônica do evento é certamente cheia dos “ôxes” e “oxêntes” que já vêm se consagrando em Brasília há tempos. Mas não é só aí, é na grandiosidade dos dois eventos, que está o duelo: um (o primeiro) é patrocinado pela Globo, e o outro, pela Record.

Quem já foi três vezes no da Globo, como eu, sabe que esta queda de braço – que mais do que ter a marca figurada nos banners, representa quem faz a melhor estratégia de divulgação – rendeu mais à emissora da Universal, que não acredita em São João – mas o financia. O público do Concurso estava muito menor – mas não creio que o preju tenha sido tão grande: sem fila pra cerveja e comidinhas, quem estava pôde comer mais e melhor.

E as quadrilhas? Belas, belíssimas. Algumas meio toscas, outras muito boas. Como a Chique Chique, de Planaltina. Inovações no enredo, como o marcador chamar para uma foto e toda a quadrilha posar, com ele soltando um “ô povo feio”, e uma fogueira formada pelos vestidos amarelos das meninas (chamas) e a roupa marrom dos rapazes (as toras de madeira), fizeram sucesso.

Aos nossos leitores hipocondríacos: além das festas juninas, teve show do Farofa Carioca no Arena e festa Anos 80 e 90, com tributo a Renato Russo, na AABB. Atípico, né? Ainda mais por esses dias… Continuamos à caça de bons fármacos para sustentarem nossos vicios.

Um comentário em “Campina Grande no seu Quadrado

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s