A mente inquieta de uma nômade


Mais uma de minha incursão pelos últimos dois dias (ou melhor, um dia e 1/2) pelo 8º Encontro de Culturas Tradicionais da Chapada dos Veadeiros. Dessa vez, conto a história de Doroty – a pronúncia não é a mesma da missionária paraense, morta há cerca de 3 anos. A sílaba tônica é o “ti”, ou seja, Dó-ró-tíí.

Efusiva, enérgica, esfusiante, inquieta, sábia, astuta… Ela oferece um beijo na boca para cada um de seus meninos – explico: ela coordena um projeto social com cerca de 120 crianças e adolescentes da vila – se não fizerem tudo direitinho. E eles fazem, “morrem de medo de levarem um beijo na boca da velha”, conta ela, aos risos temperados pela voz forte, grave e rouca do cigarro de palha… Mais uma vez, dou control+c na Agência Brasil e control+v por aqui. Dá uma olhada…

O que é o que é: faca sem ponta, galinha sem pé? Ninguém sabe ainda. Mas é esse o título da opereta com que a educadora e artista Doroty Marques e as 80 crianças e adolescentes da “Turma que faz”, projeto social que coordena na vila de São Jorge, em Alto Paraíso de Goiás (GO), vão encerrar o 8º Encontro de Culturas Tradicionais da Chapada dos Veadeiros.

Doroty guarda a sete chaves o segredo da opereta popular, um espetáculo que mistura teatro, dança e música. Há quatro anos, ela chegou ao povoado para dar às crianças e aos adolescentes do local uma ocupação diferente.

Num espaço de madeira, coberto com sapê, que ela chama de escola, as crianças passam o dia aprendendo todo tipo de arte. Eles fazem cerâmica, produzem instrumentos, aprendem a cantar, a dançar, a interpretar e confeccionam as roupas que vão usar na apresentação.

“Sou uma ditadora”, ela se autodefine, ao receber a equipe de reportagem da Agência Brasil na escola. “Uma ditadora do Cerrado. Aqui, só se pode falar nele”, justifica-se, aos risos.

O projeto “Turma que faz” existe há quatro anos, desde que Doroty chegou a São Jorge, depois de longas temporadas por favelas cariocas, onde desenvolveu projetos semelhantes, o “Escola da Criança” e o “Criança faz arte”.

A artista e educadora também se autodefine como nômade. Antes das favelas do Rio, ela morou no Uruguai e em outros países sul-americanos. “Sou uma artista que decide continuar uma arte que te ajuda a pensar, a escolher, a modificar, e pra fazer isso eu tenho que ficar muito tempo junto de você, não uma hora”, conta.

Quando indagada sobre de onde é, Doroty, que é mineira, responde apenas “do mundo”. É que, como ela mesma diz, as andanças dela pelo mundo dependem da continuidade.

A escola da Turma que Faz recebe de crianças de 5 anos de idade a adolescentes de 18. Ela avalia cada um. Em determinado momento, de aprendizes, eles tornam-se agentes culturais e passam a atuar como multiplicadores. Na verdade, são eles continuarão com a escola, quando a coordenadora do projeto perceber que sua missão foi cumprida.

Parte da verba que a Petrobras destina ao evento vai para o projeto social de Doroty. Desta forma, ela consegue manter uma cooperativa de mães, cujo “produto são os filhos” e que participa das atividades, e ainda custeia a escola e paga uma ajuda de custo aos alunos. Ao todo, são cerca de 120.

Dototy ainda não faz idéia de onde vai morar depois de São Jorge. É assim desde os 24 anos, dos seus 62. Enquanto ela aproveita o momento no vilarejo, continua a trabalhar. Um dos últimos trabalhos foi a publicação de uma cartilha sobre frutos do Cerrado, com versos dela e ilustrações dos alunos.

“Fomos pesquisar sobre frutos do Cerrado para fazer uma ópera, não achamos nada na internet. Achamos dois, três. Não existia. Falei: ah, não? Pois nós vamos fazer um livro. E é assim com tudo o que a gente vê que precisa e que não existe, por isso que se chama Turma que faz”, diz, orgulhosa.

* As fotos são do Roosewelt Pinheiro (Agência Brasil), meu amigo, que me acompanhou por lá.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s